Aluna da UFV-CRP participa do quadro “Jovens Inventores”, do Caldeirão do Huck

Janaína Pazza

Quadro premia boa ideias

Na estreia do quadro Jovens Inventores do Caldeirão do Huck no sábado, 23 de novembro, três estudantes de Patos de Minas fizeram sua participação com um projeto voltado para diabéticos.

O quadro tem como objetivo premiar jovens empreendedores, que criem invenções que possam melhorar a vida dos moradores de suas comunidades. O Banco Itaú patrocina o quadro e cada projeto pode receber até R$ 30.000,00, dependendo do julgamento de três profissionais da área, de acordo com o tipo da invenção.

Letícia Vinhal (17), Welles Oliveira (17) e Matheus Pains (17), presenciaram no ano passado uma colega diabética desmaiar no refeitório do Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Patos de Minas, onde estudavam. Os três começaram a pesquisar sobre diabetes e a pensar numa forma de melhorar a vida dos portadores da doença. Após pedirem ajuda a professora de química do colégio, Andreia Lima, eles começaram a desenvolver suas ideias.

A partir das pesquisas, eles descobriram que a Unicamp realizava testes em ratos, fornecendo ração à base de quiabo para os animais diabéticos. “Nós vimos que eles conseguiram resultados que controlavam os índices glicêmicos e a gente pensou que se em animais estava dando certo, como poderíamos trazer isso para as pessoas que sofrem com a doença todos os dias? Aí surgiu a ideia da água do quiabo, pois a água facilitaria a aceitação das pessoas e se tornaria uma coisa muito prática, pois qualquer um pode fazer em casa”, contou Letícia.

Eles explicaram que para um copo americano utilizam-se dois quiabos lavados, com as pontas inferiores e superiores cortadas e depois cada quiabo é dividido ao meio. As quatro partes são colocadas no copo com água e deixadas em repouso durante uma noite. No dia seguinte, toma-se a toda a água do copo. Oito voluntários participaram do projeto, que teve início em agosto de 2012, sempre com acompanhamento médico. Os resultados mostraram que houve uma melhora da redução dos índices glicêmicos dos diabéticos voluntários, com a ingestão diária da água de quiabo. Embora os resultados sejam positivos, nenhum paciente com diabetes deve substituir seu tratamento pela água de quiabo.

Os jovens inventores foram julgados pelo projeto, recebendo nota dez de cada jurado e um cheque no valor de R$ 30.000,00. O grupo foi convidado a desenvolver o projeto juntamente com um laboratório da USP.

Hoje Letícia Vinhal é aluna do 2º período de Engenharia Civil do Campus de Rio Paranaíba, da Universidade Federal de Viçosa.

Assista o vídeo do programa